Notícias

INSS NÃO PODE COBRAR DE VOLTA BENEFÍCIO FIXADO PELA JUSTIÇA E DEPOIS CASSADO
Postado em: 13/03/2018
O Instituto Nacional do Seguro Social não pode descontar valores recebidos por segurado ou beneficiário decorrentes de decisão judicial, apenas pelo fato de a ordem ter sido derrubada posteriormente. Assim entendeu a 1ª Turma do Superior Tribunal de Justiça ao proibir que a autarquia cobre de volta valores repassados a uma mulher de Sergipe.

Para Benedito Gonçalves, INSS não pode descontar valores de benefícios quando o valor é fixado em demanda judicializada.

Reprodução
Beneficiária de pensão por morte, ela havia conseguido aumentar o valor recebido por meio de liminar, de 70% do salário para 100%, com base em lei superveniente mais favorável (artigo 75 da Lei 8.213/1991, alterado pela Lei 9.032/1995).

Quando o Supremo Tribunal Federal reconheceu a irretroatividade da norma, a decisão acabou derrubada pelo juízo de segunda instância. O problema é que, a partir de então, o INSS passou a descontar, na via administrativa, valores desembolsados durante a vigência da tutela antecipada.

A mulher então questionou a medida. O relator do caso, ministro Benedito Gonçalves, reconheceu que a Lei 8.213/1991, em princípio, autoriza o INSS a fazer o desconto de pagamentos além do devido nos benefícios.
Ele afirmou que, respeitados a ampla defesa e o contraditório, esse meio de autotutela estatal busca manter o sistema previdenciário em condições superavitárias, evitando o enriquecimento sem causa e a judicialização de conflitos.

Segundo o ministro, no entanto, a norma não é aplicável na via administrativa quando o valor supostamente indevido for decorrente de demandas judicializadas. Isso porque a autarquia tem nessas situações os meios inerentes ao controle dos atos judiciais que devem ser manejados a tempo e modo, disse o ministro.

“É dizer: o artigo 115, II, da Lei 8.213/1991 não autoriza a administração previdenciária a cobrar, administrativamente, valores pagos a título de tutela judicial, sob pena de inobservância do princípio da segurança jurídica”, disse Benedito. O voto foi seguido por unanimidade.

Fonte: https://www.conjur.com.br/2017-dez-08/inss-nao-cobrar-beneficio-fixado-justica-depois-cassado

 
Newsletter Cadastre-se e receba todas as nossas novidades!
 
© 2019  •  Altoé Advocare - Advogados Associados  •   Todos os Direitos Reservados

Cachoeiro de Itapemirim - ES
Matriz: Rua 25 de Março, nº 146 ,1º e 2º Andar, Centro, 29300-100
Telefones: (28) 3522-4194 • (28) 3511-1538 • (28) 9 9961-1100
Filial 02: Caiçara, Anexo ao Perim Center
Telefones: (28) 3028-5987 | (28) 9 9900-4194

Vitória - ES

Filial 01: Ed. Enseada Trade Center, Sala: 506, R. Professor Almeida Cousin Nº 125
Enseada do Suá - CEP 29050-565 - (próximo ao TRIBUNAL DE JUSTIÇA)
Telefone:  (27) 3063-4194

E-mail:  altoeadvocare@altoeadvocare.adv.br


OAB/ES 7.070
Certidão nº 100/2014 - GESIN